Jul 19

No Brasil, as gigantes com fins lucrativos continuam crescendo: The World View, Inside Higher Education

Ver postagem original aqui (em inglês).

In 2015, the Brazilian for-profit private sector in Higher Education registered a net income of R$ 49.3 billion (around US$ 14 billion). About 36% of this number comes from the 12 biggest educational groups. The relative size of these companies based on their share of total higher education enrolments are: Kroton (16.4%), Estácio (7.0%), Unip (6.0%), Laureate (4.3%), Uninove (2.4%), Ser Educacional (1.8%), Cruzeiro do Sul (1.3%), Anima (1.2%), Unicesumar (0.9%), Ilumno (0.8%), DeVry (0.7%), and Grupo Tiradentes (0.7%).

Several of these giant for-profit companies are moving towards mergers and consolidation as government cutbacks threaten a key source of financing for their students, which has depressed their stock value. Recently, two of these companies made competing offers to merge with Estácio Participações SA. The country´s biggest education operator, Kroton Eucacional SA, announced its interest in acquiring Estácio for about R$ 3.5 billion (around US$ 1 billion) in stock. Two days later, Ser Educacional SA sent a competing non-binding proposal that would result in the largest education group offering traditional classroom-based, private higher education in Brazil.

Kroton, currently enrolls around 1 million students, compared to Estácio’s 590 thousand students and Ser Educacional’s 150 thousand students. Kroton has operations operating in the South, Southeast, and Center-West of the country, while Estácio has campuses in states throughout the northeast, the far north, and has a particularly strong presence in the Southeast. Ser is currently the largest player in the Northeast region.

After Estácio announced that it had created a committee to evaluate the offers, both companies raised their proposals. Finally, on July 9th, 2016, the administration board of Estácio announced that they decided for the offer made by Kroton, and the shareholders´ meeting should occur soon to approve the merger.

Meanwhile, the possibility of additional mergers has attracted the attention of the House of Representatives in Brasilia, that had already planned a public hearing to discuss the issue. The new education giants would unbalance the higher education sector, creating not only a company significantly larger than any of the competitors, but also would concentrate the majority of government student loans in the private sector. Furthermore, the merger must be approved by the Economic Defense Administrative Council, (CADE), the Brazilian regulatory agency that evaluated the merger between Anhanguera and Kroton in 2013. CADE approved the merger with some pre-conditions, including the stipulation that Kroton sell off it’s interests in Uniasselvi, its on-line operations that had been purchased for R$ 510 million by Kroton in 2012. In Februrary 2015 Kroton sold Uniasselvi for R$ 1.1 billion to Carlyle and Vinci Partners, that assumed control of that on-line education endeavor as of March 1st, 2016. In fact, if approved, the new company Kroton/Estácio would have 5 out of each 10 students of the 10 bigger companies of the private sector.

Brazil is undergoing a period of deep economic crisis and one of the consequences has been a strong reduction in the availability of students loans provided by the Student Financing Fund (Fundo de Financiamento Estudantil or FIES) program that is subsidized by the federal government. Several for-profit players, including Estácio, experienced a significant financial hit as a result this reduction in student financing, leading to a willingness on the part of management to merge with a competitor and opening an attractive opportunity to the other for-profit companies. The mergers are reshaping the private higher education sector in Brazil

The mergers and growing influence of the for-profit education sector fuels the ongoing concern over the quality provided by these giants. For-profit logic often privileges operational and management issues to the detriment of quality. Indeed, it is extremely difficult to keep growing at such a pace and maintain an acceptable level of quality—worse still as incentives to demonstrate quality have diminished given the current scenario of reduced competition. It is worth emphasizing that most of the students in this sector are enrolled in low-cost careers, where the profit objective would favor larger classrooms, high turnover of underpaid faculty, and reduced academic expectations and standards to avoid drop-outs (and the subsequent loss of revenue). This trend is clearly unsustainable in the medium and long terms, not for the companies themselves, but for the higher education sector, and consequently, to the country as a whole.

May 28

Nanomagnetismo: Seminário no Waterloo Institute of Nanotechnology

Em maio de 2016 apresentei um seminário no Waterloo Institute of Nanotechnology (WIN). A íntegra do seminário pode ser visualizada AQUI.

Apr 30

O Desafio de Construir uma Universidade de Pesquisa

The challenge of building a research university; Marcelo Knobel and Renato HL Pedrosa, University World News, Issue No:411.

Ler artigo completo AQUI (em inglês)

The University of Campinas, or Unicamp, is a state-funded, comprehensive university. When it was founded 50 years ago, it was the second such university to be established in the state of São Paulo, the most populous and developed region of the Brazilian federation. It has distinguished itself in all academic areas, both in Brazil and internationally.

Ranked 42 in the 100 under 50 rankings of the Times Higher Education World University Rankings, today about 98% of the 1,900 faculty members at Unicamp have a PhD degree and 90% work full time.

In the federal assessment system, its graduate programmes have earned the highest average score of all Brazilian universities and grant around 800 PhDs and 1,200 masters degrees per year.

The university's researchers have contributed to 7% of the Brazilian-authored papers published in indexed journals – with 2,714 publications in 2014, according to InCites/Thomson Reuters – and it leads all the other comprehensive universities in Brazil in per faculty scientific productivity and per publication citations.

One third of its published papers have international co-authors. Furthermore, Unicamp is among the leaders in Brazil in terms of patent registration – even including industry.

How did it arrive at where it is today so fast? Its accelerated trajectory started with a transformative leader, Zeferino Vaz, who created solid foundations for sustainable growth that have been strongly supported by Unicamp’s ability to attract the best talent.

São Paulo established its public higher education system in 1934, when the University of São Paulo, or USP, became the first bona-fide university in Brazil, more than 400 years after the Portuguese first colonised the country and more than a century after Brazil had become an independent nation.

Even after the establishment of USP, which was modelled on a mix of German and French features (with basic sciences given a high profile, while PhDs followed the French Doctorat d'État system), another generation went by before, in the 1960s, the idea of a modern doctorate system and departmental structure started to be considered in the budding federal system. This was based on institutions that had been developing since the beginning of the 20th century.

A transformative leader

In the early 1960s, Zeferino Vaz, a USP graduate and medical doctor and researcher with an interest in institutional development, was able to convince the state leadership of the need for a new institution in São Paulo with a clear mission to become a modern research university.

He was one of the few leaders in Brazilian higher education at the time to have a clear view of what a research university might look like. He knew that without a highly qualified faculty, technical staff and student body there was no way of building a good research institution.

The main campus of the university was founded in 1966 in the city of Campinas, 100 kilometres northeast of the state capital, on a former sugar cane farm. Vaz was able to establish a good dialogue with the military regime and, simultaneously, to protect the basic academic freedoms of the budding university community.

During his tenure, which ran from 1966 to 1978 and was characterised by strong leadership but also a very high level of centralisation, the university attracted leading intellectual and scientific individuals from Brazil and other countries. Some had fled harsher political conditions in places like Chile and Argentina. In doing so, he established the foundations for what would become some of the best academic departments in Brazil.

By 1978, Unicamp was already a modern comprehensive university with an emphasis on the basic sciences and technology, but with very good humanities and social sciences departments as well. It was able to compete in most areas for the status of best Brazilian university.

Soon after Vaz left office, Unicamp went through a serious crisis, triggered by the intervention of the state governor who wanted to control the selection of the next rector. At this point Brazil was still under military rule.

Over the next 10 years the university went through a transition from its previous over-centralised command and control system to a new, more inclusive and process-oriented system, which culminated in the implementation of a stable governance system across the university.

At the end of that decade, in 1989, the São Paulo administration granted state universities full administrative autonomy, which further enhanced their ability to keep advancing academic excellence. Today, the three state universities in São Paulo lead the country's higher education system in terms of research and PhD education.

Disruptive initiative

The legacy of these initial ideas persists to this day. Recruitment to the university is always carried out on a public basis and the prestige of the university makes this process extremely selective, enabling Unicamp to hire the best faculty and staff. A similar phenomenon occurs for both graduate and undergraduate levels. For example, the last entrance exam run by the university had 77,760 candidates for 3,320 places on its undergraduate programmes.

Unicamp and the surrounding Campinas Metropolitan Area form an important high-tech hub in Brazil. Here one can see outcomes that cannot be found elsewhere in the Latin American context. For example, in the last 20 years, around 290 companies have been founded by former students, staff or faculty members from Unicamp, creating more than 19,000 jobs and around US$1 billion in revenue.

Of course, there are many challenges facing Unicamp if it wants to maintain its current position or climb higher up the very competitive international higher education ladder. In particular, Unicamp’s governance system, including how faculty are hired, its wage policies and the salaries it pays may hinder its ability to climb much further up the global rankings.

Furthermore, Brazil’s innovation infrastructure is relatively fragile, leading to modest results in terms of partnerships and cooperative research with companies. Many countries and universities are developing deep reforms to address these issues. How their leadership will respond to such challenges will determine whether Unicamp will move forward and at what speed.

Indeed, an emerging economy such as Brazil's needs more disruptive initiatives like Unicamp, which is now 50 years old. The recent expansion of the public higher education system is being compromised by a lack of financial resources and was built following the same governance system and salary structure as that used in the general public administration system. Many see this as an obstacle to further progress of public universities.

A radical way forward

There is a movement campaigning for the modernisation and diversification of the higher education sector. Among the options, there is a rather new legal entity in Brazil known as Social Organisations, or Organização Social, which could be used to radically adapt university governance in a way that would make institutions better able to achieve these goals.

The formula for this is quite simple and straightforward. It involves a contract, signed between the government entity and the corresponding social organisation, whereby the government entity is subject to the management and governance structure of the Organização Social.

The contract establishes objectives and goals to be reached within specific timeframes and can typically assign limits to how much of the budget can be allocated to internal functions such as administrative, human resources, internal investments and other areas.

It can also impose criteria regarding the amount of resources that are assigned to the different areas the entity is supposed to serve (or promote) as part of its mission, although those can be negotiated with a certain degree of flexibility with the government entity responsible for financial resources.

Within this framework, the state has a certain amount of discretion in setting out the scope and magnitude of its desired objectives and can suspend investment depending on performance or results. The contract of employment to which researchers, managers and staff in general are subject in an Organização Social follows a policy that confers much more flexibility regarding the recruitment or laying off of staff.

More flexible

Some research institutions, like the National Center for Research in Energy and Materials or CNPEM in Campinas, São Paulo, and the National Institute for Pure and Applied Mathematics or IMPA in Rio de Janeiro, already function under this kind of institutional arrangement and their performance has shown how the system could be an option for universities as well.

For example, IMPA, which has a very strong PhD programme, recently had one of its alumni and current researchers, Artur Ávila, awarded the Fields Medal, the highest scientific prize in mathematics. His position at IMPA has been guaranteed by a private endowment, something that is not yet available at public universities.

That is only one aspect where a change in institutional governance, including financing, could have a positive impact if public universities followed a different, more flexible institutional model.

Maybe these institutional changes will not follow exactly the model described above, owing to some peculiar aspects of Brazilian bylaws, but movements in this direction seem inevitable since they provide an effective way to give public universities the mechanisms they need to compete globally and to produce world-class knowledge.

Unicamp has come a long way since Zeferino Vaz first outlined his vision for a new type of research university. It has been transformative in the region. Broader changes in Brazil's higher education infrastructure are now needed so that it can have a greater global impact.

Apr 09

Exames de ingresso nacionais: uma visão do Brasil

Schwartzman, S. and M. Knobel (2016). "High-Stakes Entrance Examinations: a View From Brazil." International Higher Education 85 (Spring, 2016): 19-20.

https://ejournals.bc.edu/ojs/index.php/ihe/article/view/9242

In Brazil, the growing dominance of the national exam for secondary education as a massive, unified entrance exam for higher education has several detrimental consequences. Besides effectively shaping the high school curriculum, with clear disadvantages for those who will not attend college, it restricts the diversity and regional characteristics of the higher education sector. Similar criticisms apply to other countries that use national entrance exams. Some suggestions for possible changes are given.

Apr 09

Inovação no Currículo (em Espanhol)

Nov 12

Entrevista para Rhonda Broussard: One Good Question

One Good Question

This post is part of a series of interviews with international educators, policy makers, and leaders titled “One Good Question.”  These interviews provide answers to my One Good Question (outlined in About) and uncover new questions about education’s impact on the future.

Nov 12

Estimativa de efeito de pares com predição de conexões sociais : Evidências de duas Universidades no Brasil e na Russia

Higher School of Economics Research Paper No. WP BRP 30/EDU/2015

Oleg Poldin
National Research University Higher School of Economics

Tania P. Simoes
Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Marcelo Knobel
Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Maria Yudkevich
National Research University Higher School of Economics (Moscow)

Abstract:

Social interactions with peers during learning have a significant impact on university students’ academic achievement. As social ties are voluntary, an empirical estimation of peer effects is exposed to a potential endogeneity problem. To overcome this issue, we propose to define the peer group of an individual as their predicted friends. The specific features of the learning environment in higher education institutions may affect dimensions along which friendship ties form. To test the presence of peer effects in different educational and cultural contexts, we use data on students studying in two universities located in two different countries, Brazil and Russia. We assume that friendship is affected by homophily in student attributes, such as having the same region of origin, the same gender, and sharing the same study group. In both institutions, we find positive externalities from having high-ability peers.

Aug 11

Boletim da SBPMat / Gente da nossa comunidade: entrevista com o cientista Marcelo Knobel.

Publicado no boletim da SBPMAt, agosto de 2015.
Leia artigo completo (original) AQUI.

Pesquisa científica, materiais magnéticos, divulgação científica e ensino superior seriam, talvez, as expressões maiores numa nuvem de tags que representasse o professor Marcelo Knobel.

Nascido em Buenos Aires (Argentina) em 1968, Marcelo Knobel veio morar no Brasil, mais precisamente em Campinas (SP), aos 8 anos de idade, acompanhando os pais dele, a psicóloga Clara Freud de Knobel e o psiquiatra Maurício Knobel. A família estava escapando do golpe de estado que acabara de instaurar no poder, na Argentina, uma ditadura militar que demitira Maurício da Universidade de Buenos Aires (UBA). No Brasil, que também estava governado por uma ditadura militar, Maurício tinha sido contratado pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Dez anos depois da chegada a Campinas, Marcelo Knobel ingressou na Unicamp para fazer a graduação em Física. Em paralelo aos estudos, começou a trabalhar com propriedades magnéticas de materiais como bolsista de iniciação científica. Finalizado o bacharelado, Knobel permaneceu na Unicamp para realizar o doutorado na mesma área, obtendo o diploma de doutor em Física ao defender sua tese sobre magnetismo e estrutura de materiais nanocristalinos em 1992. Na sequência, partiu para a Europa, onde realizou dois estágios de pós-doutorado; um deles no Istituto Elettrotecnico Nazionale Galileo Ferraris, da Itália, e o outro no Instituto de Magnetismo Aplicado, na Espanha.

De volta ao Brasil e à Unicamp, em 1995, Marcelo Knobel começou sua carreira de professor e pesquisador do Instituto de Física Gleb Wataghin (IFGW). De 1999 a 2009 foi coordenador do Laboratório de Materiais e Baixas Temperaturas, onde atua como pesquisador até o presente, sempre investigando magnetismo e materiais magnéticos. Junto a seus colaboradores do laboratório, Knobel realizou trabalhos pioneiros no estudo da magnetorresistência e magnetoimpedância gigante em determinados materiais – dois conceitos diferentes que se referem à oposição que um material oferece à passagem da eletricidade em consequência da aplicação de um campo magnético externo. Em 2008, Knobel tornou-se professor titular do Departamento de Física da Matéria Condensada do IFGW.

Na área de divulgação científica, Marcelo Knobel começou no ano 2000 a colaborar com as atividades de ensino e pesquisa do Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (LABJOR), da Unicamp. Além disso, Knobel foi um dos criadores da NanoAventura, uma exposição interativa e itinerante sobre nanotecnologia que foi lançada em 2005 e foi visitada por mais de 50 mil pessoas, principalmente crianças, até o presente. A NanoAventura recebeu menções honrosas no Festival de Cine e Vídeo Científico do Mercosul (2006) e no Prêmio Mercosul de Ciência e Tecnologia (2015), além de um prêmio, em 2009, da Rede de Popularização da Ciência e da Tecnologia na América Latina e no Caribe (RedPOP). De 2006 a 2008, Knobel foi o primeiro diretor do Museu Exploratório de Ciências, ligado à Unicamp. Em 2008, tornou-se editor-chefe da revista Ciência & Cultura da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), posição que ocupa até o presente. No campo editorial, Knobel coordena uma coleção de livros de divulgação científica da Editora Unicamp, chamada Meio de Cultura, lançada em 2008.

Em 2007 Marcelo Knobel recebeu o Young Scientist Prize da TWAS-ROLAC (escritório da América Latina e Caribe da academia mundial para o avanço da ciência em países em desenvolvimento), destinado a jovens cientistas da região. No mesmo ano, foi selecionado, junto a cerca de 50 pessoas de diferentes áreas de atuação e diversos países do mundo, para participar do programa Eisenhower Fellowships, que visa a reforçar o potencial de liderança de seus fellows. O grupo viajou pelos Estados Unidos durante 7 semanas cumprindo com uma agenda de reuniões e seminários. Em 2009, foi escolhido fellow da John Simon Guggenheim Memorial Foundation, recebendo recursos dessa fundação para o desenvolvimento de pesquisa.

De 2009 a 2013, foi pró-reitor de Graduação da Unicamp. Nesse cargo, foi responsável pela implantação do Programa Interdisciplinar de Educação Superior (ProFIS). O ProFIS é um curso de nível superior de 4 semestres que proporciona uma formação geral, multidisciplinar e crítica, e possibilita a seus egressos (ex-alunos de escolas públicas selecionados por suas boas notas no ENEM) que ingressem em cursos de graduação da Unicamp sem passar pelo vestibular. O programa foi distinguido em 2013 com o Prêmio Péter Murányi – Educação, destinado a ações que aumentem o bem-estar de populações do hemisfério sul.

Em 2010, com 42 anos de idade, Knobel foi laureado Comendador da Ordem do Mérito Científico pela Presidência da República.

Bolsista de produtividade 1A do CNPq, Marcelo Knobel publicou cerca de 300 artigos científicos em revistas internacionais com revisão por pares e 15 capítulos de livros sobre materiais e propriedades magnéticas, popularização da ciência, percepção pública da ciência e ensino superior. Também é autor de artigos sobre ciência e educação publicados em diversas mídias. Conta com 6.370 citações, segundo o Google Scholar.

Marcelo Knobel acaba de assumir, no dia 3 de agosto, o cargo de diretor do Laboratório Nacional de Nanotecnologia (LNNano), do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM).

Segue uma breve entrevista com o cientista.

Boletim da SBPMat: – Conte-nos o que o levou a se tornar um pesquisador e a trabalhar na área de Materiais.

Marcelo Knobel: – Escolhi a área de Física pela curiosidade, sem saber direito o que isso significava. Mas já no primeiro semestre percebi que era aquilo mesmo que eu queria para a minha vida, tentando entender a natureza. Logo no início da graduação tive aula de laboratório com a professora Reiko Sato, que posteriormente me convidou para fazer iniciação científica em seu laboratório. Ela trabalhava com propriedades magnéticas de metais amorfos, e foi o tema de início de minha pesquisa. Depois, fiz o doutorado direto com ela também, já trabalhando com nanocristais, e posteriormente segui o pós-doutoramento na mesma área.

Boletim da SBPMat: – Quais são, na sua própria avaliação, as suas principais contribuições à área de Materiais?

Marcelo Knobel: – Venho atuando em sistemas magnéticos nanoscópicos, investigando principalmente as interações dipolares em nanossistemas magnéticos, utilizando diversas técnicas experimentais, modelos teóricos e simulações computacionais. Esses sistemas, além do interesse em pesquisa básica, possuem diversas aplicações possíveis, principalmente em sistemas de gravação magnética e nanomedicina. O grupo de pesquisa que ajudei a consolidar desenvolve novos materiais nanocristalinos e realiza estudos através do desenvolvimento de novas técnicas magnéticas, estruturais e de transporte. No âmbito dessas pesquisas, fomos pioneiros no estudo da magnetorresistência gigante em sistemas granulares e na investigação da magnetoimpedância gigante em fios e fitas amorfos e nanocristalinos. Mas tenho me dedicado também à divulgação científica, sendo um dos responsáveis pela criação do Museu Exploratório de Ciências da Unicamp. Fui o coordenador do projeto NanoAventura, que é uma exposição interativa e itinerante sobre nanociência e nanotecnologia para crianças e adolescentes. Atuo ainda em pesquisas na área de percepção pública da ciência, coordeno a série “Meio de Cultura” da Editora da Unicamp e atuo como editor chefe da revista Ciência & Cultura, da SBPC. Fui recentemente Pró-Reitor de Graduação da Unicamp, onde destaco a implantação do Programa Interdisciplinar de Educação Superior (ProFIS). Atualmente, estou iniciando um novo desafio, como Diretor do Laboratório Nacional de Nanotecnologia (LNNano).

Boletim da SBPMat: – Você tem uma atuação especialmente forte em divulgação da ciência e da cultura científica. Comente com os nossos leitores estudantes e pesquisadores qual é, para você, a importância de realizar esse tipo de atividade.

Marcelo Knobel: – Eu me tornei um cientista após ler livros e revistas de divulgação, e de visitar museus de ciências. Creio que devemos incentivar as novas gerações a pensar criticamente, a ter curiosidade, a buscar desvendar os mistérios que nos cercam. Para o Brasil é fundamental estimular jovens talentos para a ciência. Sem eles não teremos futuro… Além disso, é nossa obrigação prestar contas com a sociedade, que é quem financia a pesquisa científica nas universidades públicas e nos institutos de pesquisa. É importante mostrar a ciência que é realizada em nosso país, e a importância de seguir investindo, cada vez mais, em ciência e tecnologia.

Boletim da SBPMat: – Se desejar, deixe uma mensagem para os leitores que estão iniciando suas carreiras científicas.

Marcelo Knobel: – Não tenho dúvidas que é a paixão que deve guiar as carreiras de todos, e principalmente dos cientistas. Mas além da paixão, é necessária uma formação sólida, não só no conteúdo específico, mas também em habilidades pessoais, como trabalho em equipe, comunicação (incluindo português e inglês, redação científica) e cultura geral. A atividade científica exige esforço e dedicação, mas é recompensada, penso eu, por uma vida repleta de novos desafios e oportunidades.

Aug 11

Jornal da Unicamp: Quanto Custa um Professor Titular?

Jornal da Unicamp No. 632, 2015
Leia artigo completo AQUI

Em um livro recente, Philip G. Altbach e colegas apresentam uma comparação criteriosa da remuneração de docentes universitários em diferentes países (Altbach et al., eds., Paying the Professoriate: A Global Comparison of Compensation and Contracts, / Remuneração de Docentes: uma Comparação Global de salários e Contratos, Routledge, 2012). Independentemente da pesquisa em questão, uma das principais conclusões do relatório foi que este tipo de informação é incrivelmente difícil de ser encontrada e sua análise é mais complexa ainda, devido a diferentes descontos e benefícios, concedidos por cada universidade, região ou país. Além disso, na maioria dos países desenvolvidos as trajetórias individuais das carreiras docentes são refletidas em salários diferenciados. Muitos países têm lutado no sentido de desenvolver um sistema de ensino superior sólido, e a atração de jovens motivados e talentosos é fundamental para o desenvolvimento futuro de uma cultura de excelência — necessária para apoiar a educação das futuras gerações. Contudo, no Brasil e em muitos países da América Latina há uma forte tendência contra a remuneração baseada em mérito acadêmico, particularmente nas universidades públicas onde é realizada uma parte considerável da pesquisa acadêmica. Neste artigo cito um exemplo de uma política pública do Estado de São Paulo que certamente afetará a atração de jovens talentos para suas universidades, colocando em risco o esforço da construção de um sistema de ensino superior de alta qualidade já em evolução há mais de 60 anos.
Em principio, dados sobre salários e remunerações deveriam ser de fácil rastreamento no Brasil, onde um código de relativa isonomia tem regido os salários no sistema de ensino superior. Apesar de diferenças na produtividade, ensino, impacto e sucesso na atração de recursos financeiros adicionais, a situação estabelecida indica que membros docentes no mesmo nível de suas carreiras devem receber o mesmo estipêndio mensal. Na prática, a situação é bem mais complexa, não apenas pelos aumentos de salários por tempo de instituição, mas também quando são adicionadas (e eventualmente incorporadas) remunerações por atribuições administrativas. Além disso, alguns membros docentes recebem renda adicional de bolsas, ou trabalho de consultoria. Para tornar as coisas mais complicadas, os salários variam enormemente pelo tipo de instituição — privadas com fins lucrativos, instituições federais públicas, privadas sem fins lucrativos, pública estadual, ou pública municipal.
LIMITAÇÕES NO TOPO
Um debate recente no Brasil levantou questões interessantes relacionadas aos salários de docentes de nível sênior nas universidades públicas do Estado de São Paulo (Universidade de São Paulo–USP, Universidade Estadual de Campinas–Unicamp, e Universidade do Estado de São Paulo–Unesp), instituições consideradas entre as melhores da América Latina, conforme evidenciado em diferentes rankings. Desde 2003, em cumprimento à legislação federal, o Estado de São Paulo vinculou os salários do setor público à remuneração de seu governador, cuja compensação representa o salário máximo pago a um servidor público estadual — conhecido como “teto salarial” do funcionalismo público estadual. Não é de surpreender que este teto possa ser ajustado em valores relativamente baixos por conveniência política, particularmente para prevenir gastos por parte do Estado. De igual modo, abre uma porta para políticas orientadas pelo populismo, embora na realidade o governador não dependa de um salário mensal, pois ele ou ela recebe outros benefícios financeiros (tais como moradia, motorista, refeições, etc.).
No Estado de São de Paulo, o salário bruto do governador é atualmente de R$ 21.631,05. Para termos de comparações internacionais, descontando 27,5% de impostos, o salário líquido máximo no Estado de São Paulo é de cerca de US$ 4.500,00 por mês, o que leva a um estipêndio líquido anual de cerca de US$ 60.000,00 (com base em 13 meses mais um terço de férias). Isso estabelece o salário máximo permitido para professores titulares e funcionários administrativos em nível sênior nas instituições do Estado de São Paulo, independentemente dos anos de serviços prestados, mérito, prestígio, responsabilidades administrativas, ou qualquer outro fator. Esses valores certamente não são competitivos internacionalmente.
Embora a lei atual que estabelece o teto date de 2003, a Suprema Corte do país decidiu recentemente que a legislação deverá ser aplicada, mesmo nos casos quando os salários estiverem acima do valor máximo permitido antes de 2003. Em curto prazo, espera-se que grande número de docentes e pessoal administrativo com condições necessárias para aposentadoria dê início ao processo, quando seus salários forem reduzidos. Pior ainda, será difícil encontrar docentes nos níveis mais altos da carreira dispostos a ocupar funções administrativas, tais como chefes de departamento, coordenadores de graduação, etc., sem a possibilidade de remuneração adicional.
O DESAFIO DE ATRAIR E RETER TALENTO
Obviamente, reclamações sobre limitações dos salários de docentes podem ser considerados como “politicamente incorretos” em um país onde o salário mínimo é de R$ 788,00 (US$ 225,00), e o salário médio está abaixo de R$ 2.100,00 (US$ 600,00). Um salário bruto de mais de R$ 20.000,00 está certamente no quintil mais alto. Em um país de enormes desigualdades sociais, fica claro que ser parte do corpo docente de uma universidade pública imediatamente posiciona o indivíduo no topo da pirâmide socioeconômica.
Contudo, de uma perspectiva diferente, esforços têm sido feitos durantes as últimas seis décadas pelo Estado de São Paulo e a nação no sentido de desenvolver pelo menos algumas universidades ditas de classe mundial. Essas universidades de pesquisa são essenciais para o desenvolvimento socioeconômico do país e, paradoxalmente, fundamentais para reduzir as fortes desigualdades na sociedade brasileira.
A estrutura salarial e o teto vigente, impostos sobre as universidades, impedem a possibilidade de atrair os melhores jovens talentos necessários para apoiar o desenvolvimento deste sistema universitário que é ainda muito jovem. Por certo, membros docentes jovens e brilhantes são fundamentais para a futura qualidade da pesquisa, ensino e extensão, e para manter a colaboração e a competitividade com o mundo globalizado. Como as universidades estaduais paulistas poderão manter o sucesso, a força, o impulso e o fôlego se não forem capazes de atrair e manter os melhores talentos?
Quanto vale um membro docente de nível sênior? O que faz um jovem talento escolher uma carreira acadêmica? No Brasil, assim como em ou-tros países, parte da resposta da escolha pessoal é a aparente liberdade acadêmica oferecida pelas carreiras do ensino superior. Contudo, pelo menos no Brasil, isso veio com outros benefícios, incluindo aposentadoria com salário integral (não mais vigente) e estabilidade no emprego (até quando?). Embora a estabilidade ainda permaneça, os salários no topo da ascensão profissional não são mais competitivos com empresas no setor privado (comércio, serviços, etc.). Além disso, se compararmos o salário máximo atingido após muitos anos de dedicação a uma universidade com seus equivalentes internacionais, as diferenças são demasiadamente grandes. Em um mercado global competitivo, isso tem uma importância tremenda.
POLÍTICA NACIONAL E EXCELÊNCIA ACADÊMICA
As universidades são, em princípio, um espaço privilegiado, onde a meritocracia deveria representar um papel importante. Na maior parte do sistema do ensino superior brasileiro, um membro do corpo docente pode ser muito bem remunerado sem necessariamente demonstrar um bom desempenho. Este fato drena a motivação de docentes mais produtivos. Além disso, a existência de um salário máximo pré-definido representa uma desvantagem para o caminho árduo de ter instituições de classe mundial. As universidades do Estado de São Paulo precisarão encontrar soluções criativas para vencer uma deficiência tão significativa para seguir avançando.
Limitar os salários no topo da carreira profissional, por razões políticas, que levam a desvantagens competitivas com alternativas no mercado de trabalho nacional e global, certamente prejudicará um sistema universitário ainda nascente, construído com esforço conjunto durante anos recentes. Infelizmente, esta questão é compartilhada por outros países em desenvolvimento que lutam para estabelecer um bom sistema de ensino superior. No caso de muitos países na América Latina, as universidades públicas são os principais atores no desenvolvimento da pesquisa e inovação. Estas universidades são fortemente regulamentadas por políticas nacionais que prejudicam a diferenciação acadêmica apoiada pela compensação financeira racional — tornando difícil a atração de jovens talentos para vida acadêmica, bem como membros docentes com perfis específicos. Embora deva ser claro, cabe destacar que os professores são o centro da academia, e seus envolvimentos, retenção, e motivação são elementos chave para a sobrevivência das universidades.

Jun 24

Agência FAPESP: NanoAventura recebe menção honrosa no prêmio Mercosul de C&T

Elton Alisson | Agência FAPESP – Ver reportagem completa AQUI

Os professores da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) Marcelo Knobel, Marcelo Firer e Ernesto Kemp, juntamente com Sandra Elena Murrielo – que foi pós-doutoranda da instituição com Bolsa da FAPESP e atualmente é professora da Universidad Nacional de Rio Negro, na Argentina –, receberam uma menção honrosa no Prêmio Mercosul de Ciência e Tecnologia pela exposição científica interativa e itinerante “NanoAventura”.
A cerimônia de entrega do prêmio ocorreu na última quarta-feira (17/06), no auditório do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), em Brasília.
Instituída pela Reunião Especializada em Ciência e Tecnologia do Mercosul (RECyT), em 1998, e coordenada, no Brasil, pelo Ministério da Ciência,Tecnologia e Inovação (MCTI), a premiação tem o objetivo de reconhecer trabalhos que representem potencial contribuição para o desenvolvimento científico, tecnológico e para inovação nos países membros e associados ao Mercosul.
A edição deste ano teve como tema “Popularização da ciência” e contou com 109 trabalhos científicos inscritos.
“É sempre importante receber um reconhecimento por um trabalho realizado e, após dez anos da realização do projeto, perceber que o esforço valeu a pena, principalmente pelo enorme público que conseguimos atingir com a exposição durante esse período”, disse Knobel à Agência FAPESP.
Primeira exposição organizada pelo Museu Exploratório de Ciências da Unicamp, a NanoAventura foi desenvolvida por uma equipe de pesquisadores da Unicamp e do Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS), em parceria com o Instituto Sangari.
A proposta da exposição interativa é atrair o interesse do público infantil e adolescente para a nanociência e a nanotecnologia, gerando um espaço de aprendizado e diversão.
Um apresentador conduz o roteiro, de uma hora de duração, composto por vídeos e jogos eletrônicos para um grupo de até 48 participantes.
Um vídeo introduz a noção de escala, apresenta os fundamentos da nanociência e da nanotecnologia e mostra o desenvolvimento dessas áreas no Brasil. Na etapa seguinte, a turma é dividida em quatro grupos que transitam pelas estações dos jogos.
O encerramento da experiência ocorre novamente em forma coletiva com a apresentação de um vídeo 3D que recupera visualmente algumas das ideias previamente apresentadas.
A tenda de 18 metros de diâmetro, que abriga a exposição, percorreu diversas cidades até ser fixada, em definitivo, na atual sede do Museu Exploratório de Ciências, na Unicamp.
Desde que foi lançada, em 2005, a exposição já recebeu mais de 50 mil visitantes, principalmente professores e estudantes da rede pública de ensino.
Em março de 2009, uma réplica da exposição foi inaugurada em São Paulo, no Espaço Catavento Educacional e Cultural.
“A exposição NanoAventura foi fundamental para a criação do Museu Exploratório de Ciências da Unicamp e, para mim, particularmente, foi muito importante como aprendizado imersivo no mundo das exposições científicas, tanto do ponto de vista da concepção, como do desenvolvimento e operação, incluindo a gestão, a itinerância e a captação de recursos, entre tantas outras atividades que fazem parte do dia a dia do projeto”, afirmou Knobel, que é membro da Coordenação Adjunta de Colaborações em Pesquisa da FAPESP.

Projeto vencedor

O prêmio Mercosul de Ciência e Tecnologia é dividido nas categorias “Iniciação Científica”, direcionada a estudantes de ensino médio; “Estudante universitário”, para alunos de graduação; “Jovem pesquisador”, voltada para pesquisadores com até 35 anos; e “Integração”, para equipes compostas por pesquisadores de mais de um país do bloco, como a do projeto NanoAventura.
Os prêmios, no total de US$ 20,5 mil, foram distribuídos aos quatro primeiros lugares e às menções honrosas.
Na categoria “Integração” a vencedora foi Luisa Medeiros Massarani, pesquisadora do Núcleo de Estudos da Divulgação Científica do Museu da Vida da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), juntamente com 40 pesquisadores e jornalistas científicos de 14 países ibero-americanos, pelo projeto “Monitoramento, capacitação e aprimoramento em jornalismo científico em países do Mercosul”.
Desenvolvido a partir da Rede Ibero-Americana de Monitoramento e Capacitação em Jornalismo Científico (Cyted, em espanhol), o projeto teve o objetivo de aprimorar a prática de jornalismo científico por meio da realização de oficinas de capacitação, realizadas em oito países da América Latina, e de pesquisa sobre a cobertura de Ciência na mídia.

Este site não é uma publicação oficial do IFGW, acesse www.ifi.unicamp.br para a versão institucional.
A responsabilidade por seu conteúdo é exclusivamente do autor.