Laboratório de Léptons

O Laboratório de Léptons faz parte do Departamento de Raios Cósmicos e Cronologia. O foco deste é estudar partículas classificadas como léptons (possuem spin ½ e carga inteira), principalmente o neutrino. Esta é a partícula mais leve já detectada, após o fóton com massa de repouso nula, ainda não se sabe exatamente o valor da sua massa, porém existe um limite superior para a mesma.

O neutrino não tem carga e interage muito pouco com a matéria, o que dificulta a sua detecção. Apesar disso, é possível detectá-lo, uma vez que são muito abundantes. As principais fontes que podemos encontrá-lo é através da própria radioatividade da Terra, reatores nucleares, eventos cósmicos e no Sol (65 bilhões de neutrinos atingem cada cm2 da Terra por segundo).

Grandes experimentos ao redor do planeta estudam formas mais eficientes de detectá-los, o Laboratório de Léptons trabalha em conjunto com esses. Inclusive, com o maior experimento de detecção de neutrinos, Deep Underground Neutrino Experiment (DUNE).

Este ainda se encontra em construção e testes, os principais objetivos que buscam alcançar são: violação da simetria CP, decaimento do próton, detecção de neutrinos produzidos por um colapso estelar (neutrinos de supernova) e determinar a hierarquia das massas dos neutrinos (muônico, tauônico e eletrônico).

Mais de 1000 pesquisadores contribuem para que esse projeto possa ser realizado.