Papers do ALICE


Papers on Strangeness:

  • “Strange particle production in proton-proton collisions at 0.9 TeV with ALICE at the LHC”
    EPJC71 1594 (2011) or arXiv: 1012.3257.
    Data: pp 0.9 TeV (2009)
    Particles: k0s, phi, Lambda, Xi.
    Summary: O artigo faz um estudo sobre a produção das partículas estranhas K , φ , Λ , Λˉ , Ξ e Ξˉ em colisões pp com energia √s = 0, 9 TeV, na região de rapidez central, detectadas pelo experimento ALICE no LHC. Os resultados apresentados são os os yields (dN/dy) das partículas estudadas, seus espectros de pT (Fig. 14) e uma comparação com os modelos PYTHIA e PHOJET (Fig. 15, 16, 16 e 18). O PYTHIA utilizado para a comparação superestima a produção de K0s e descreve bem, dentro das incertezas, a produção de φ . Ambos os modelos utilizados na comparação subestimam a produção de bárions estranhos. Tais resultados são uma importante linha de base para comparações futuras, tanto em energias mais altas em pp, quanto para colisões de íons pesados. (GRG)
  • “Multi-strange baryon production in pp collisions at √s = 7 TeV with ALICE”
    PLB 712 309 (2012) or arXiv: 1204.0282
    Data: pp 7TeV (2010)
    Particles: Xi, Omega.
    Summary: O artigo faz um estudo sobre a produção dos bárions Ξ e Ω  em colisões pp com energia √s = 7 TeV, na região de rapidez central, detectadas pelo experimento ALICE no LHC. Os resultados apresentados são os espectros de pT medidos e fits com a função de  ​Tsallis (Figura 2a), uma comparação com o gerador de eventos Monte Carlo PYTHIA Perugia 2011 (Figura 2b), os ​yields (dN/dy) de cada partícula,  e  o < pT > vs √s (Figura 3b).  É feito também um estudo sobre a razão (Ω− + Ω+ )/(Ξ− + Ξ+ ) , a Figura 4 apresenta uma comparação de tal razão, em função da massa transversal, entre os dados experimentais e dados simulados pelo PYTHIA. A razão bárion/anti-bárion é consistente com a unidade dentro de todos os intervalo medidos. As observáveis medidas não são bem descritas pelo modelo do PYTHIA Perugia 2011, que foi tunado para reproduzir os dados iniciais do LHC. Portanto este artigo serve de referência para um melhor entendimento das interações fundamentais dos quarks e para um aperfeiçoamento de modelos fenomenológicos. (GRG)
  • “Mid-rapidity anti-baryon to baryon ratios in pp collisions at √s = 0.9, 2.76 and 7 TeV measured by ALICE”
    EPJC 73 2496 (2013) or arXiv:1305.1562
    Data: pp 0.9, 2.76 and 7 TeV.
    Particles: Protons, Lambda, Xi, Omega.
    Summary: O artigo faz um estudo sobre a produção dos bárions p, Λ, Ξ e Ω e suas respectivas

    anti-partículas em colisões pp nas energias √s=0,9 , 2,76 e 7 TeV, na região de rapidez central. O estudo da razão entre ​yields de anti-bárion/bárion tem como objetivo explorar os mecanismos de transporte de número bariônico. Os resultados apresentados são a razão dos ​yields pˉ /p em função de p e y , para a energia √s =2,76 TeV (Fig. 6), Λˉ /Λ em função de pT e y , para as energias 0,9 TeV (Fig. 7), 2,76 TeV (Fig. 8) e 7 TeV (Fig. 9), Ξˉ /Ξ em função de pT (integrado em |y| < 0, 8 ) para as energias √s =0,9 TeV (Fig. 10) e √s =2,76 TeV (Fig. 11), para a energia √s =7 TeV Ξˉ /Ξ é apresentado como função de pT e y (Fig. 12), Ωˉ /Ω em função de pT (integrado em |y| < 0, 8 ) para as energias √s =2,76 TeV (Fig. 13) e √s =7 TeV (Fig. 14). Todos os resultados medidos são apresentados junto com as previsões dos modelos PYTHIA e HIJING/B. Também são apresentadas as dependências das razões em função da multiplicidade de partículas carregadas (Fig. 18, 19, 20 e 21). Dentro dos limites estudados todas as razões pˉ /p , Λˉ /Λ , Ξˉ /Ξ e Ωˉ /Ω em colisões pp, nas energias avaliadas, são independentes de rapidez, momento transversal e multiplicidade de partículas carregadas. Para a energia √s =0,9 TeV observa-se um pequeno excesso bárions sobre os respectivos anti-bárions para as espécies p , Λ e Ξ , as razões anti-bárion/bárion aumentam com a energia, alcançando valores compatíveis com a unidade, dentro das incertezas, em √s=7 TeV, o que é compatível com a previsão dos modelos, no intervalo de rapidez verificado. (GRG)

  • “k0s and Lambda production in Pb-Pb Collisions at 2.76 TeV”
    PRL 111 222301 (2013) or arXiv:1307.5530
    Data: PbPb 2.76 TeV (2010).
    Particles: k0s, Lambda.
    Summary: O artigo faz um estudo sobre a produção de K0s e Λ em colisões Pb-Pb com energia √s = 2, 76 TeV, na região de rapidez central. Os resultados apresentados são os ​yields de K0s e Λ (Tabela 1), os espectros de pT de K0s e Λ, para todas as classes de centralidade (Figura 2), e a razão Λ/K0s em função de pT , também para todas as centralidades, comparados com pp nas energias √s =0,9 TeV e √s =7 TeV e com Au-Au a √s = 0,2 TeV, medido pelo STAR. A comparação também é feita com a previsão de modelos hidrodinâmicos e com o modelo EPOS, que considera a interação de jatos com um meio hidrodinâmico em expansão (Figura 3). A razão Λ/K0s medida em eventos Pb-Pb periféricos é compatível com as medidas feitas em pp. Os cálculos de modelos hidrodinâmicos descrevem bem os dados para pT até 2 GeV/c, mas desvia progressivamente para momentos transversais maiores. O modelo EPOS apresenta uma boa descrição dos dados. A concordância entre a razão Λ/K0s para elevados valores de pT nos sistemas Pb-Pb (em todas as centralidades) e pp sugere que a produção de tais partículas, nesse regime de momento transversal, não é modificada pelo meio, enquanto que o aumento da centralidade implicando no deslocamento do máximo desta razão para pT maior está de acordo (qualitativamente) com efeitos fluxo radial. (GRG)
  • “Multiplicity dependence of pion, kaon, proton and lambda production in p–Pb collisions at √s = 5.02 TeV”
    PLB 728 25 (2014) or arXiv:1307.6796
    Data: pPb 5.02 TeV (2013).
    Particles: Pion, Kaon, Proton, Lambda.
    Summary: O artigo faz um estudo sobre a produção das partículas π , K , K , p(pˉ) e Λ(Λ) em colisÕes pPb na energia de 5.02 TeV, na região de rapidez central. Os resultados apresentados são os espectros de pT das partículas estudadas (Figura 1), para diferentes intervalos de multiplicidade (definidos na Tabela 1), as razões K/π=(K++K−)/(π++π−), p/π=(p+pˉ)/(π++π−) e Λ/K0 em função do momento transversal (Figura 2), para os intervalos de multiplicidade 0-5% e 60-80%, a razão p/π em função de dNch/dη, para diferentes bins de pT , que segue uma lei de potência (Figura 3, topo), esse mesmo comportamento é observado em colisões Pb-Pb e ambas apresentam o mesmo expoente (Figura 3, meio), essa mesma característica é observada na razão Λ/Ks0 (Figura 3, baixo). Também são apresentados o < pT > em função da multiplicidade para as partículas estudadas (Figura 4) e uma comparação das razões p/π, K/π e Λ/π com resultados anteriores de Pb-Pb, Au-Au e d-Au (Figura 5). Tais resultados impõe uma série de vínculos importantes na modelagem de colisões p-Pb. As distribuições de momento transversal mostram uma clara evolução com a multiplicidade, que é mais evidente para as partículas mais pesadas. Este comportamento é similar ao observado em pp e em Pb-Pb. (GRG)
  • “Multi-strange baryon production at mid-rapidity in Pb–Pb collisions at 2.76 TeV”
    PLB 728 216 (2014) or arXiv:1307.5543
    Erratum.
    Data: PbPb 2.76 TeV (2010).
    Particles: Xi, Omega.
    Summary: O artigo faz um estudo sobre a produção das partículas Ξ− e Ω− e suas respectivas antipartículas em colisões Pb-Pb na energia √s=2.76 TeV, na região de rapidez central, detectadas pelo ALICE no LHC. Os resultados apresentados são os espectros de pT das partículas (Figura 3) para todas as classes de centralidade estudadas, sendo 0-10% o mais central e 60-80% o mais periférico. Também são apresentados os ​yields das partículas estudadas (Tabela 1), uma comparação dos espectros de pT com diferentes previsões de modelos hidrodinâmicos (Figura 4) e o aumento da produção de Ξ e Ω em função do número médio de participantes (Figura 5). Os ​yields das partículas e suas antipartículas é consistente, dentro das incertezas. O objetivo da comparação com os modelos hidrodinâmicos é testar a habilidade de tais modelos em reproduzir ​yields,​ formato do espectro de pT e dependência com centralidade. Quatro modelos foram utilizados nas comparações: VISH2+1 que considera um meio viscoso, HKM que considera um meio como fluido ideal no qual é adicionado a uma cascata hadrônica (UrQMD), o modelo Kraków que considera correções fora do equilíbrio, devido a viscosidade, para a transição da fase hidrodinâmica para o estado de partículas finais e o modelo EPOS que considera a interação de jatos com um meio hidrodinâmico em expansão e adiciona uma cascata hadrônica utilizando o UrQMD. Para Ξ na classe de centralidade 0-10% todos os modelos descrevem bem o formato do espectro de pT até 3 GeV/c, porém apenas Kraków reproduz o ​yield corretamente. Para Ω VISH2+1 e EPOS superestimam o yield​, mas o EPOS reproduz bem o formato do espectro, enquanto que Kraków subestima o yield e não reproduz a inclinação corretamente. De uma maneira geral EPOS e Kraków dão as descrições mais satisfatórias dos dados. O aumento da estranheza, definido como a razão do ​yield da partícula estranha pelo número médio de participantes da colisão Pb-Pb, se mostrou depender tanto do conteúdo de quarks estranhos nos bárions quanto da centralidade, porém é menos evidente em baixas energias (GRG).
  • “Multi-strange baryon production in p–Pb collisions at √s = 5.02 TeV”
    PLB 758 389 (2016) or arXiv:1512.07227
    Data: pPb 5.02 (2013).
    Particles: Xi, Omega.
    Summary:
  • “Enhanced production of multi-strange hadrons in high-multiplicity proton–proton collisions”
    Nature Physics 13 535 (2017) or arXiv: 160607427.
    Data: pp 7 TeV
    Particles: k0s, Lambda, Xi, Omega.
    Summary:

Papers on Particle production, Spectra and Yields :

“Centrality and pseudora- pidity dependence of the charged-particle multiplicity density in Xe–Xe collisions at √sNN =5.44TeV”

Phys. Lett. B, 790 (2019) 35. or arXiv:1805.04432v2
Data: Xe-Xe 7 TeV
Particles: Charged particles.
Summary: Used about 1M events. Psedorapidity distributions of XeXe, from 0 to 5, separated into 12 centrality classes. Mid-rapidity dNch/dEta and total Nch versus collision energy, versus Npart and versus (Npart-2)/2A. Average charged-particle pseudo rapidity density at mid rapidity and the total number of charged particles, birth scaled by the number of participants seem to follow the same power law dependence with collision energy. dNch/deta vs Npart shows a steep increase for central Xe-Xe collisions, with higher yield than in Pb-Pb at the same Npart, indicating deviation from simple Npart scaling. Particle yield versus Npart also compared to different parameterisations for particle production and models such as Hijing and AMPT, PYTHIA/Agantyr and EPOS. Has a large discussion on the models and its agreements to the centrality dependence of the yields.