Albert Michelson

 

O grande medidor  (1852 - 1931)

      Medida é o fundamento da física. Ela provê o vínculo essencial. entre observação e análises matemáticas, sem elas  não haveria nenhuma física como nós a conhecemos. Dai a razão porque Albert Michelson, o grande medidor, está no patamar  dos grandes físicos.
     Albert Michelson nasceu em Strelno, Alemanha em 1852. Quando ele tinha dois anos de idade, a família emigou  para cidade de Nova Iorque. Então seguindo o ciclo do ouro vai para a Califórnia, e depois da prata segue para Nevada. Finalmente eles se instalaram na cidade de Virgínia onde  abriram uma loja  pequena. Como o dinheiro estava escasso,  parecia certo que a educação de Albert terminaria com a escola secundária.
     Mas o Albert teve outras idéias. Candidatou-se  para o exame de seleção na U. S. Academia Naval,  mas apesar dos resultados dos  exames favoráveis  e muitas cartas de recomendação, não foi aprovado. Ele insistiu muito e acabou sendo conduzido à Washington D.C. onde acabou encontrando o Presidente Grant nos solos da  Casa Branca. A habilidade de Albert e tenacidade óbvia (junto com vários pontos de conveniência política) impressionou o Presidente, e o Albert recebeu um compromisso de acesso especial para a Academia Naval.
     Na Academia, a carreira acadêmica de Michelson foi a tradicional. Ele se formou, ficou dois anos  no mar, casou-se, e depois voltou à Academia como um instrutor.  É quando ele começou o  seu trabalho  em óptica.
 Aristoteles pregava que  luz se  propagada com velocidade infinita.  Galileo tambem tentou medir a velocidade da luz usando dois homens com lanternas em colinas distantes, e falhou. Romer, um astrônomo dinamarquês, calculou a velocidade indiretamente, atraves  de observações  das luas de Júpiter. Finalmente, o cientista francês Fizeau conseguiu  a primeira medida direta da velocidade luz.  Outro francês, Foucault, melhorou o metodo e obteve resultados mais precisos.
     Michelson  em 1878, com atenção engenhosa para o detalhe da velocidade de luz,  melhorou a experiência de Foucault, e  mediu  300 154 Km/seg. O resultado dele foi padrão  por mais de 45 anos, até que foi melhorado finalmente - pelo próprio Michelson. Durante o trabalho de pesquisa para a experiência, perguntou-lheum repórter,  por que ele queria  saber a velocidade da luz. Sua resposta: " Porque é tal como uma diversão ".
     Tendo medido o incomensurável,  Michelson começou a detectar o indetectável, o " luminiferous éter " . Para fazer isto ele reprojetou  o seu interferômetro  (com financiamento de Alexander Graham Bell).  Mas  a medida requeria  delicadeza tão incrível que vibrações inevitáveis conduziram a resultados imprecisos.
     Michelson tentou novamente em 1887, e desta vez estava trabalhando com Edward Morley, um químico. Eles construíram um interferômetro novo, mais volumoso, com uma pedra flutuando sobre mercúrio. Eles  não descobriram o éter,  falharam  definitivamente.  Não havia nenhum éter. Levou tempo  até o impacto desta experiência ser sentido. A culminação veio com a teoria de Einstein de relatividade em 1905. Dois anos depois, Albert Michelson recebeu o premio Nobel  em física.
     Em  1920 Michelson dirigiu o interferometro dele em direção às estrelas e conseguiu medir  o diâmetro de Betelgeuse ( uma das maiores estrelas visiveis, esta na constelação de Órion onde ficam as conhecidas "tres Marias").
     O Nova Iorque Times levou a história em primeira página. Em 1926 ele mediu a velocidade da luz novamente, com maior precisão ainda. Cinco anos  mais tarde, com a idade de 79 anos,  Michelson morreu. Ele deixou um conjunto  de trabalhos experimentais  que trouxe uma precisão inigualada para medidas físicas,  e o maior  resultado das  medidas, embora negativo ( inexistencia do éter) mudou para sempre a nossa visão do universo.
 
Referência: Michelson e a Velocidade de Luz, Bernard Jaffe, Nova Iorque, 1960.

Este site não é uma publicação oficial do IFGW, acesse www.ifi.unicamp.br para a versão institucional.
A responsabilidade por seu conteúdo é exclusivamente do autor.